Portugal registra mais de 4.000 novos casos COVID na esperança de uma forte recuperação

Escrito por Sergio Concalves e Catarina Demoni

LISBOA (Reuters) – Portugal notificou mais de 4.000 casos diários do vírus corona pela primeira vez desde fevereiro na quarta-feira, com dados oficiais esperando que uma forte recuperação econômica impulsionada pelo turismo desapareça em meio ao aumento da epidemia.

O número de casos tem aumentado constantemente nas últimas semanas, retornando aos últimos níveis vistos quando o país estava em um bloqueio apertado.

Houve um total de 916.559 casos de 4.153 infecções desde o surto de quarta-feira. As mortes diárias são muito mais baixas do que a taxa de fevereiro, com novos casos sendo relatados principalmente entre populações desconhecidas mais jovens.

Para lidar com a revolta, as autoridades estão gradualmente impondo medidas drásticas, como ordens de toque de recolher noturno. O lançamento de vacinas também foi acelerado.

A maioria dos casos novos é a variante delta mais contagiosa, representando 100% de epidemias na região de Lisboa e na região de Sunny South Alcarve, que está mais tranquila do que o normal devido à escassez de turistas.

O setor de turismo contribuiu com 15% para o PIB antes da epidemia, mas despencou no ano passado. Agora, com a variante Delta se espalhando rapidamente e com novas restrições, as empresas estão lutando para sobreviver ao verão.

Pessoas hospedadas em hotéis devem apresentar teste negativo, certificado de vacinação ou comprovante de recuperação. A mesma regra se aplica a restaurantes em áreas de alto risco nas noites de sexta-feira e fins de semana.

Essas medidas estão sendo combatidas por donos de hotéis e donos de restaurantes. O ministro da Economia, Pedro Sisa Vieira, reconheceu que as regras levaram ao “novo asfixia” do setor.

READ  30 caes mais qualificados

Vieira disse que “aceitaria os custos políticos dessas reações negativas”, em vez de permitir que restaurantes e outros negócios funcionassem.

A economia de Portugal encolheu 7,6% em 2020, a sua maior queda anual desde 1936. No primeiro trimestre de 2021, encolheu para 3,3%, mas o governo esperava que voltasse a crescer no terceiro trimestre.

Mas na quarta-feira, Sisa Vieira disse a uma comissão parlamentar que apesar da “visão séria do governo no terceiro trimestre”, a recuperação agora seria “muito moderada”.

(Relatório de Sergio Concalves e Caterina Demoni; editado por Caterina Demoni e Nick McPhee)

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Folha d’Ouro Verde