O presidente português deve dirigir-se às eleições gerais do país esta semana

LISBOA (Reuters) – O presidente português disse no domingo que trataria da crise política do país nesta semana, anunciando a decisão de dissolver o parlamento dois anos antes das eleições marcadas.

O parlamento na semana passada jogou fora o projeto de orçamento do estado para o governo socialista minoritário para 2022, e o presidente alertou que embora a rejeição do projeto de lei não significasse uma eleição, não havia outra opção a não ser chamá-la.

A rejeição do orçamento marca o fim de seis anos de estabilidade política sob o atual primeiro-ministro Antonio Costa.

O presidente Marcelo Rebelo de Sousa manteve conversações com os principais partidos políticos no fim de semana e disse que a maioria concorda que a eleição deve ocorrer em janeiro, se houver. Ele está se consultando com membros da legislatura estadual na quarta-feira sobre a dissolução do parlamento.

Rebelde de Sousa disse que se dirigirá à nação quinta-feira e que “o interesse nacional” é a sua prioridade. Ele explicou que pode levar “algum tempo” para que a ordem de dissolução seja emitida, dando ao parlamento tempo para votar alguns projetos de lei.

Se o presidente emitir uma ordem, a eleição deve ser realizada dentro de 60 dias. Costa continuará como chefe do governo provisório até o fim das eleições.

(Reportagem de Katarina Demoni e Sergio Gonsalves, Edição de Giles Elcut)

READ  Mais de 300 voos foram cancelados devido à greve nos aeroportos de Portugal

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Folha d’Ouro Verde