28% das famílias veem a sorte piorar

Das famílias que viram sua situação financeira piorar devido à epidemia, a maioria cortou despesas com alimentação, roupas e viagens, além de atrair economias anteriores.

A maioria (69%) das famílias portuguesas manteve a situação financeira semelhante ao período pré-epidémico, e 3% melhorou, mas os restantes 28% sentiram o impacto da epidemia. Este é o resultado de uma pesquisa que mostra que as famílias mais afetadas têm renda intermediária e baixa escolaridade, muitas das quais são filiadas à indústria de abrigo e alimentação.

“De acordo com um inquérito de 2020 à situação financeira dos agregados familiares realizado entre outubro de 2020 e fevereiro de 2022, 69% dos agregados familiares em Portugal estavam como antes da epidemia, 28% consideravam-na má e 3% consideravam-na má. Melhorou. ”Desses 28%, 24% ainda conseguiam arcar com as despesas com a renda.

Os domicílios mais afetados são jovens, com filhos na família, pessoas de renda média, aqueles com menos de ensino superior e trabalhadores autônomos – 34% em comparação com 34% dos empregados.

“A evolução dos rendimentos por epidemias mostrou que a referência variava muito consoante o sector em que a pessoa trabalhava”, nota o INE e o Banco de Portugal (BdP). Por um lado, temos alojamento e alimentação, onde 74% das famílias registaram perda de rendimento. Por outro lado, temos setores como informação, comunicação e atividades financeiras ou administração pública, educação e saúde, onde a redução de renda afetou menos de 30% dos domicílios.

As famílias reduzem o custo de comida, roupas e viagens

A grande maioria das famílias (67%) que relatou perda de renda devido à epidemia “anunciou uma redução nos gastos com alimentação, roupas, viagens ou outros bens de consumo e serviços (bens e serviços não duráveis)”. Este é o primeiro passo para controlar os gastos em face da queda dos ingressos.

READ  Master Chefs Portugueses - Notícias Portuguesas

No entanto, os portugueses no passado proibiram a venda de poupanças ou valores acumulados, bem como o crédito à habitação e assistência bancária a familiares e amigos. A deterioração da situação financeira também levou ao adiamento da compra de uma casa, carro ou outro bem durável.

“Houve muito pouco uso de outros tipos de medidas, como proibição de outros empréstimos, inadimplência de certas contas, reconsideração de dívidas existentes, obtenção de novos empréstimos, prevenção do pagamento de aluguel ou assistência a organizações de solidariedade social”, disse a nota.

O Inquérito à Situação Financeira das Famílias 2020 (ISSF 2020) foi realizado pelo INE e pelo Banco de Portugal de outubro de 2020 a fevereiro de 2022.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Folha d’Ouro Verde